Tags

,

Cultura

por Renata Capucci

Rio de Janeiro

cadevoce-100610-foto1

Ele tinha 73 anos e enfrentou problemas no coração após cirurgia.
Foram mais de cinco décadas dedicadas ao cinema, televisão e teatro.

 

 

 

 

A televisão, o cinema e o teatro brasileiro perderam um grande ator, no fim da tarde de domingo (29). Morreu no Rio de Janeiro Cláudio Cavalcanti. Ele tinha 73 anos e havia passado por uma cirurgia na coluna. Ele teve complicações no coração depois da operação e foi levado para a UTI. O ator estava internado desde 17 de setembro. O corpo será cremado.

 

O ator fez mais de 50 trabalhos na TV Globo. Um dos mais marcantes foi o personagem Jerônimo, na primeira versão da novela Irmãos Coragem, em 1970. Foram mais de cinco décadas dedicadas ao cinema, televisão e teatro como ator, produtor, diretor e dublador.

 

Cláudio fez 22 filmes e dezenas de peças teatrais. Também se aventurou na polícia. Ele foi eleito vereador pelo Rio de Janeiro por dois mandatos e, atualmente, era secretario municipal de Defesa dos Animais.

 

Na TV, Cláudio participou de trabalhos que marcaram época: interpretou o Padre Albano na novela “Roque Santeiro”, em 1985, e foi o médico Alberto na novela “A Viagem”, em 1994. Ele também esteve em “O Feijão e o Sonho”, “Baila Comigo” e “Água Viva”.

 

Cláudio era casado desde 1979 com a atriz Maria Lúcia Frota. Ele voltaria às telas no canal a cabo GNT na segunda temporada da série “Sessão de Terapia”, dirigida por Selton Mello e com estreia prevista para a próxima segunda-feira.

 

Homenagens
Amigos e colegas de trabalho deixaram mensagens nas redes sociais. A autora Glória Peres disse: “domingo triste, perdemos Cláudio Cavalcanti”. A atriz Rosamaria Murtinho, que atuou ao lado dele em novelas e no teatro, também lamentou a perda. “Mais um colega que se foi. É triste, é triste…”.

 

“Me sinto como se fosse um irmão, uma pessoa da família. Então, a gente não deixa de se emocionar. Tchau, Cláudio”, desabafa Sérgio Mamberti

 

Em sua página pessoa na internet, Cláudio Cavalcanti lembrava os papéis que o consagraram e se definia: velho como o mundo e jovem como só eu.

 

Edição do dia 30/09/2013

30/09/2013 14h01 – Atualizado em 30/09/2013 14h01

Fonte Jornal Hoje
Anúncios