Tags

Política

Por Austri Junior
 
Ontem nós postamos aqui no Blog Educação, Cultura e Sociedade um comentário a cerca das manifestações de “pseudos estudantes” que protestaram contra a jornalista e blogueira cubana Yoani Sánchez. Em nosso comentário, defendi o direito de manifestação, seja de quem for. Entretanto fizemos uma leitura negativa desse protesto, afirmando que esse poderia ser um prostesto encomendado. Pois bem, não erramos na nossa leitura dos fatos. A nossa interpretação estava correta. Ouça o comentário de Miriam Leitão no Jornal da CBN, que foi ao ar hoje, entre as 12:00h e 14:00h da tarde, com o respeitável e confiável âncora, Carlos Alberto Sardenberg. Assim como o Sardenberg tem uma credibilidade ímpar, o mesmo podemos falar também sobre a jornalista Miriam Leitão.
Abaixo, leia a reportagem da Veja que confirma a nossa opinião sobre o caso Yoani Sanchez, e façam as suas interpretações. porém quero chamar a atenção dos meus leitores, os mais maduros principalmente: Lembram-se do AI-5 e do DOI-CODI? Isso não lhes parece familiar? Se a sua resposta foi um sim, é porque isso não é nehuma novidade: John Lennon também passou por isso com a CIA e com o FBI. Igualmente ao John Lennon, assim foi também com o Charles Chaplin. Aqui no Brasil, a lista é imensa: Chico Buarque, Caetano Velloso, Raul Seixas… Preciso mesmo continuar listando?
Essa intolerância e ditadura político-cultural não é somente contra a Yoni Sanchez, mas é também contra as pessoas que estavam ali para ouví-la, bem como, contra a democracia brasileira e toda a nossa sociedade (podendo ser incluído também todo o continente latino americano e o Caribe). O que acontece aqui interessa ao mundo. Esse episódio nefasto mancha ainda mais imagem do Brasil, que já não é a melhor das democracias no mundo. Pois um pais em que o voto é obrigatório, a democracia não é plena, e sim uma pseudo-democracia.
Austri Junior
Editor
Click no link abaixo para ouvir  comentário da jornalista Míriam Leitão
 
 Críticas recebidas na Bahia são a democracia que Yoani quer para Cuba
(Se você não consultar o link hoje (19/02/2013) e no caso de você não achar o comentário, 
procure o comentário da Míriam pelo título acima).
Ouça mais:
Desembarque de Yoani Sanchéz no Brasil tem significado para todo o continente: 
***

Militantes impedem exibição de filme com Yoani Sánchez

Manifestantes impedem exibição do filme com a presença da blogueira Yoani Sánchez

Manifestantes impedem exibição do filme 
com a presença da blogueira Yoani Sánchez (Folhapress)

 

 

 

19/02/2013 – 00:44

 

Política

Grupos ligados ao PT, PC do B e movimento estudantil cercaram auditório em Feira de Santana (BA) e obrigaram organizadores a cancelar o evento

Militantes de grupos ligados ao PT, PC do B e ao movimento estudantil baiano cercaram na noite desta segunda-feira o auditório em Feira de Santana (BA) onde seria exibido o documentário Conexão Cuba-Honduras, que tem a participação da blogueira cubana Yoani Sánchez, e obrigaram os organizadores a cancelar a exibição do filme.
O documentário, que trata da falta de liberdade de expressão nos dois países da América Central e contém uma entrevista de Yoani, fazia parte do primeiro ato da cubana em sua viagem ao Brasil. A produção é dirigida pelo cineasta baiano Dado Galvão, que convidou a blogueira a vir ao país – seu primeiro destino após cinco anos de negativas do regime comunista para deixar a ilha caribenha.
Cerca de 50 manifestantes com cartazes em defesa da ditadura comunista de Cuba ocuparam a sala do Museu do Saber, local onde o filme seria exibido, e impediram com gritos e vaias qualquer tentativa de pronunciamento. Aos gritos de “traidora” e “viva a revolução!”, os militantes não permitiram que a cubana fosse ouvida – ela só conseguiu falar rapidamente, por cerca de 15 minutos. Os organizadores, então, decidiram suspender o evento. Os integrantes da manifestação portavam bandeiras do PT e PC do B e não atenderam aos pedidos de trégua da organização e do senador Eduardo Suplicy (PT-SP), presente no local.
Yoani Sánchez chegou ao Brasil durante a madrugada desta segunda. Após desembarcar no aeroporto do Recife, onde fez escala antes de ir a Salvador, ela seguiu até Feira de Santana, cidade de 557.000 habitantes a pouco mais de 100 quilômetros da capital baiana.
Tanto no Recife como em Salvador, vários militantes comunistas também se manifestaram contra sua visita ao Brasil, defendendo a ditadura cubana e mostrando fotografias de Fidel Castro e de Che Guevara, assim como cartazes nos quais chamavam Yoani de “mercenária” e “agente da CIA”.
Antes da manifestação em Feira de Santana, a dissidente afirmou em seu blog Generación Y que “gostou” de ser recebida com protestos no Brasil e disse sonhar com o dia em que “as pessoas poderão se expressar publicamente assim, sem represálias”, em Cuba.
Depois do protesto da noite desta segunda, Yoani comentou o cancelamento da pré-estreia do filme em seu perfil no Twitter. Ela definiu o “debate” como “gritos contra argumentos” e “slogans contra ideias”, e chamou atenção para panfletos que traziam os militantes. “Todos tinham o mesmo material, impresso da mesma forma, com as mesmas cores e palavras. Como se alguém tivesse distribuído a esses ‘enérgicos’ do grito o mesmo dossiê contra mim. Que coincidência!”, escreveu a cubana. Yoani ainda afirmou, aparentemente em referência aos protestos enfrentadas até aqui no Brasil e fazendo um balanço da visita, que “o placar está dois a zero, e não é a favor dos extremistas”.
Fonte: Veja
Anúncios