Tags

, ,

Em princípio, poderíamos dizer que “nenhum ser humano é uma ilha”, e por esse motivo todos precisam se relacionar uns com os outros, e com certeza, nos relacionamos todos os dias e em todos os momentos, de uma forma ou de outra, com alguma pessoa. E esse relacionamento passa sempre e inevitavelmente, pela comunicação. A comunicação se dá de formas variadas, e é fundamental para os relacionamentos. Os seres humanos são seres sociáveis, que vivem em comunidades e precisam uns dos outros para viver e sobreviver. Precisamos do professor, do padeiro, do gari, do médico…, do aluno – até mesmo as pessoas anti-sociais se relacionam e se comunicam com outras pessoas. Todos necessitam comunicar-se em seu cotidiano, mesmo as pessoas que não falam, pois a comunicação, não se dá somente através da fala, mas também através dos gestos, dos olhares, das cores… Se não fosse a comunicação, as relações humanas, nesse mundo não seriam possíveis, e tudo estaria profundamente comprometido, a começar pela existência da humanidade. Viver é comunicar-se, e a comunicação é o que permeia as relações humanas e a essência da vida. Se há vida, inevitavelmente tem de haver comunicação. Se deixarmos de nos comunicar, comprometeremos profundamente os relacionamentos, e como o nosso foco prioritário nesse curso é a educação, podemos começar citando alguns exemplos: Se o educador não se comunicar de forma clara com os seus educandos, aniquilará o processo ensino-aprendizagem, se o vendedor deixar que os ruídos interfiram na comunicação com o seu cliente, perderá a venda. Entretanto, a maior importância que a comunicação pode exercer nos relacionamentos humanos, está no diálogo entre os líderes mundiais que governam as potências internacionais, que com as suas armas atômicas e letais, podem destruir o mundo e a humanidade.

A nossa experiência no dia a dia em salas de aulas e dentro das escolas tem nos mostrado que a comunicação entre professores e alunos não são das melhores, e alguns desafios tem se levantado dentro da escola nos dias atuais:

Temos observado que muitos professores ficaram “amarrados” no tradicionalismo e na antiguidade. Muitos deles estão vivendo a era em que se amarrava “cachorro com lingüiça”. As tecnologias estão à nossa volta e é uma realidade incontestável, e nos traz ferramentas valiosíssimas, que podemos e devemos utilizar no ensino-aprendizagem e na comunicação didática e pedagógica no relacionamento com os alunos no dia-dia. Muitos professores têm medo da tecnologia, e fogem absurdamente dela, ao invés de “partir para o ataque”: Reciclar-se em cursos que lhes tragam maior conhecimento. Os alunos da escola atual dominam a tecnologia melhor de que os seus professores.

Não é a nossa intenção reclamar, ou mesmo justificar falhas, mas sabemos que a boa aprendizagem começa com uma situação favorável. Ambientes quentes, falta de material didático e pedagógico, péssimos salários… Isso e muito mais são ruídos que atrapalham a comunicação entre professores e alunos, e que constroem desafios enormes, que precisam ser vencidos, e urgentemente, pois comprometem a comunicação e o desenvolvimento de ambos: Professor e aluno.

Por último (e não menos importante em nossa análise), queremos citar o caos generalizado em nossa sociedade. A nossa parca experiência vivencial dentro da escola observa que a escola não dá conta de muitas coisas:

·  A ausência e o desinteresse das famílias;

·  O desinteresse e a falta de limites dos alunos;

·  Alunos analfabetos no 4º e até mesmo no 5º ano, 

   e alunos semi-analfabetos no 6º ano;

·  As drogas e a criminalidade invadiram as escolas.

Seria a escola tradicional a solução? Seria o construtivismo um caminho inverso da própria sua proposta, e assim o poderíamos chamá-lo ‘DES-TRUTIVISMO‘? Com certeza, a sociedade não é mais tradicional como aquela que outrora conhecemos. Mudanças aconteceram para melhor e para pior. Para voltarmos ao modelo da escola tradicional (muito educadores em conversa na sala dos professores têm defendido essa idéia), teremos de retroceder em algumas questões das leis, algumas inclusive se tornaram políticas públicas, com algumas coisas boas e muitas coisas ruins. Entre elas, o Estatuto da Criança e do Adolescente, que precisa de reformas urgentes.

É certo que a família e a escola não têm se entendido muito bem, e que as relações entre essas duas instituições – diga-se passagem, falidas – com certeza estão estremecidas. A família reclama da escola e vice-versa. A família precisa conhecer o seu papel nesse contexto e fazer a sua parte: Educar os seus filhos e impor-lhes os limites, ensinando-lhes as regras para o convívio sadio em sociedade, não utilizar a escolas como “depósito” para os seus filhos e não transferir para a escola, o que é de sua responsabilidade. A grande maioria dos pais só vai à escola em último caso, e alguns chegam à instituição gritando e até mesmo quebrando coisas, e ameaçando os professores de morte. Normalmente é a comunicação de alguém equilibrado, com especialização (ou não), em mediar conflitos que acalmam os ânimos, o que nem sempre funciona, mas com certeza o diálogo é a água que extingue esse fogo constante, insistente e quase sempre, diário, que causam os ruídos na comunicação entre a família e a escola. Como já dissemos acima, onde há vida há comunicação, e é ela, a comunicação, em forma de diálogo, que apaga o fogo destruidor, em todo e qualquer relacionamento. Como diziam os nossos avos: “De uma boa conversa, ninguém escapa!” 

Ou seja: A comunicação é tudo nas relações humanas. Entretanto, o respeito é a base de todo e qualquer relacionamento.

 

Austri Junior – Para a discilplina Interfaces do Relacionamento Humano – O Papel da Comunicação dentro da EscolaNo Cuso de Complementação Pedagógica em Licenciatura em Filosofia. Profª Adenete Miranda.

*(Submeti esse texto à uma revisão, e fiz pequenas mudanças para publicá-lo aqui no Blog Cultura e Sociedade).

 

Anúncios