Programas de Humor na TV – O Esgoto e o Lixo em Nossos Lares

A minha intenção inicial era escrever sobre o programa “A Grande Família”, que vai ao ar todas as noites de quintas feiras, na Rede Globo de Televisão, logo pós a novela das “oito” que começa às “nove”.
Entretanto, há muitos anos venho observando que com raríssimas excessões, os programas de humor – e seus respectivos quadros – na televisão brasileira, são de baixíssima qualidade.
No caso de A Grande Família por exemplo, nessa atual temporada, o programa perdeu totalmente a graça  e é raro o episódio em que eles não erram a mão na dosagem. Há algum tempo, o programa vem perdendo a qualidade, e no ano de 2010, era o personagem Agustinho que “segurava a peteca”. Em 2011 o dito personagem se perdeu, não por causa do seu interprete que é um excelente ator, mas por conta do roteiro mesmo. Para compensar essa perda, o personagem Paulão está muito engraçado, e é ele quem está segurando o programa. A verdade é que a Globo está errando a mão, e não é somente em “A Grande Família”, o programa “Zorra Total” deveria se chamar “Porcaria Total”, e isso está acontecendo há décadas com os programas humorísticos em todas as emissoras de TV brasileiras. Com raríssima excessão, o programa “Os caras de Pau” tem conseguido manter a graça, mas não todo o tempo.
Não é somente a Globo que despeja o seu esgoto em nossos lares, e esses lixos e porcarias não são somente em seus programas de humor, e sim em quase todas as programações. Toda a televisão (aberta) no Brasil, é um tremendo paiol de asneiras, chatices, baboseiras, e idiotices. Raramente consigo assistir um programa na televisão que me traga satisfação total. As emissoras erram demasiadamente em seus conteúdos, extrapolam com seus personagens, e caricaturaram com enorme desproporção.  Por esse motivo, faço uso demasiado do controle remoto, o que faz muito bem para a minha mente, que precisa nutrir-se do alimento cultural e intelectual, para não ficar raquítica e subnutrida.

Abro um precedente aqui para elogiar a Rede Brasil em toda a sua programação, e a Rede Vida de Televisão. Entre as TV’s abertas e as TV’s que transmitem em UHF, essas duas detém a minha preferência. Aproveito a oportunidade para registrar que sou Cristão Protestante (Metodista), o que valoriza ainda mais a minha opinião quanto à Rede Vida e a sua programação, e isso não tem nada que ver com o fato de eu ser um Teólogo que caminha na esteira do Ecumenismo, e sim com a qualidade que a Rede Vida imprime ao seu trabalho e aos seus produtos. A Rede Vida é realmente “o canal da família brasileira.”

Quanto aos programas de humor no Brasil, em sua maioria se “especializaram” em zombar dos homossexuais, e carregam demais nos personagens, o maior exemplo disso é “A praça é Nossa”. O Zorra Total e o Tom Cavalcante, não ficam atrás nesse “quesito porcaria”, que muitas vezes faltam com o respeito com os homossexuais. O Falecido estilista e Deputado Federal pelo Estado de São Paulo, Clodovil Hernandes, brigava muito com os humoristas por causa disso.
Bem fez o José Eugênio Soares, que deixou para trás esse lixo todo, e seguiu a linha do David Letermann, entre outros “Talk Shows” de qualidade que fazem um enorme sucesso nos EUA e na Europa, e instituiu o seu consagrado “Programa do Jô”, outrora “Jô Soares Onze e Meia” (SBT), onde reina a “Qualidade Total”. Em seu programa o Jô faz de tudo um pouco, inclusive aquilo que é a sua marca registrada: o humor – essa não é a opinião de um crítico versado em televisão, mas de um telespectador exigente.
Austri Junior
Anúncios